Conheça a Trajetória da Professora da FCF Reconhecida Como Destaque na Toxicologia

A professora da FCF Silvia Berlanga de Moraes Barros teve a honra de ser reconhecida pelo 2021 Distinguished Toxicologist Award, prêmio oferecido pela Hispanic Organization of Toxicologists, uma seção especial da Sociedade Americana de Toxicologia. Ela é a primeira brasileira premiada pela organização e suas contribuições para o meio científico provam que ela é merecedora de tal feito.

Academia

Entrou na graduação em Farmácia – Bioquímica na Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP em 1968, e já nesse período, por volta de 1970, era bolsista FAPESP de Iniciação Científica, dando início a sua jornada como pesquisadora. Assim que se formou, iniciou o seu mestrado em 1973 já na área de Toxicologia. Silvia continuou na área acadêmica e, em 1980, terminou seu doutorado na área, também pela FCF-USP.

Em 1974, durante seu mestrado, foi contratada como auxiliar de ensino da Faculdade, na disciplina de Patologia Geral e depois, durante o doutorado, assumiu a responsabilidade pela disciplina. Desde então, continuou lecionando como professora associada após o doutorado e, enfim, se tornou professora titular da FCF em 1993. Em 2003, a Profª Silvia se aposentou, mas continuou em contato com a Universidade como professora sênior, mantendo essa posição até hoje.

 

Ciência

O fazer científico, a pesquisa, fazia parte da carreira universitária que a professora seguiu. Quando começou na área de Toxicologia, pesquisou sobre o uso de inseticidas, analisando seus impactos e mecanismos de ação tóxica, a fim de otimizar seu uso e reduzir possíveis danos. Ela afirma: “esse foi o meu olhar para a pesquisa, olhando a toxicologia de modo à solução de problemas”.

Em seguida, ela conta para a FCF que, acima de tudo, a pesquisa sempre foi prazerosa e que, sem dúvidas, a curiosidade humana é também um fator que incentiva a busca por novas descobertas. Hoje é possível ver seu legado no Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas, vendo como os laboratórios cresceram e estão cada vez mais promissores com todo o equipamento necessário.

 

Premiação

Toda sua jornada se reflete também no seu reconhecimento pela comunidade científica com o recebimento em 2021 do Distinguished Toxicologist Award por sua relação com a Hispanic Organization of Toxicologists (HOT) e suas contribuições para ela e para a Sociedade Americana de Toxicologia.

Silvia já foi presidente da Sociedade Brasileira de Toxicologia (SBTox) e, em 2001, se associou à Sociedade Americana de Toxicologia. Em 2004, por indicação da SBTox, foi eleita diretora da União Internacional de Toxicologia (IUTOX). A professora explica que, com seu contato com as sociedades científicas, ela começou a entender a Toxicologia de modo mais internacional. “Eu conheci novas ideias, novas cabeças, organizei alguns eventos aqui no Brasil na área de avaliação do risco toxicológico com a SBTox e a IUTOX”, afirma.

Seu contato mais específico com a HOT é também palco de pioneirismos. A HOT é um ramo da Sociedade Americana de Toxicologia, que foi criada para incentivar a participação dos hispano-americanos na Toxicologia. Desse modo, quando Silvia, a primeira brasileira, começa a se aproximar do grupo, já fica clara sua importância para a ciência nacional e representatividade dela no exterior. Ela foi conselheira da HOT por dois anos e então eleita posteriormente para a presidência da organização. Em 2021, a Professora foi indicada e recebeu o prêmio, com muito orgulho e prestígio, representando todo o país pelas suas conquistas no espaço científico.

 

Futuro

Por fim, Berlanga se despede com alguns dizeres para os futuros farmacêuticos e cientistas. “As Ciências Farmacêuticas têm o poder de mudar a saúde da população”, ela diz, “o farmacêutico é o responsável pela promoção da saúde, e eu acho que os alunos das Ciências Farmacêuticas têm que ter esse olhar, porque eles têm um papel preponderante em todas as suas áreas de atuação.”

English EN Portuguese PT Spanish ES